Currículo de programador: Como criar um que chame a atenção?

Equipe Trio Carreiras

4 min read

O currículo nada mais é do que uma breve apresentação da sua atuação no mercado de trabalho e das suas experiências - sejam elas adquiridas na rotina profissional ou também a partir de estudos.

Essa apresentação deve ser completa, mas não cansativa, e deve seguir algumas premissas para que seja bem vista por quem busca um determinado perfil profissional, capaz de atender às necessidades buscadas pela empresa contratante e ele pode ser você.

Sendo assim, o seu currículo de programador precisa fazer esse overview pela sua carreira, mostrando essas informações e as apresentando de forma objetiva e direta, para chamar atenção dos recrutadores, afinal, ele é extremamente importante para a sua carreira.

Mas por quê? É o que te explicaremos a seguir!

<<< Confira as vagas remotas para desenvolvedores da Trio! >>>

Qual a importância do currículo para profissionais de programação?

O seu currículo é o primeiro contato da empresa ou do recrutador com o candidato, on-line ou presencial, e ele precisa causar uma boa impressão em diversos aspectos, mas em primeira mão o seu design conta muito.

É a partir do seu currículo de desenvolvedor que o contratante saberá das suas experiências profissionais e educacionais, além de outros pontos, como formas de contato, soft e hard skills e até portfólio com trabalhos já executados.

O seu currículo de programador é a sua porta de entrada para novas oportunidades no mercado de trabalho dos devs e não dá para perder uma chance por um currículo desorganizado, não é mesmo?! Por isso, é importante estar atento ao que os recrutadores buscam e avaliam nos currículos.

O que os recrutadores avaliam nos currículos de programadores?

O currículo não é só um monte de informação reunida em um espaço em branco, e a explicação sobre a importância dele deixou isso bem claro. Agora, abordaremos o que os recrutadores avaliam, de fato, nos currículos.

Entre os principais pontos de avaliação nos currículos de programadores estão a formatação, as palavras-chave, o quanto ele é objetivo e direto, quais são as informações dispostas no documento de apresentação e também, em especial, o destaque que indica que o seu currículo é o melhor para aquela vaga.

Por isso, criar um currículo deve ser uma tarefa séria e que entregue o bom profissional que você é - independente do seu nível de atuação. Para te ajudar nesse desafio, separamos 9 coisas que não podem faltar de forma nenhuma em um currículo de programador. Continue lendo e confira!

Leia também: 11 sites para encontrar vagas e trabalhar online para empresas estrangeiras

9 aspectos que não podem faltar no currículo de um programador

Antes de tudo, atenção: é importante que todo o seu currículo seja feito com sinceridade. Nada de aumentar um pouquinho aqui ou ali sobre as suas experiências, mas especialmente com relação aos seus conhecimentos e níveis de proficiência em línguas estrangeiras.

Agora, vamos às dicas!

1. Cabeçalho

No início do seu currículo, coloque as informações principais de contato para que o recrutador consiga falar diretamente com você e outras informações importantes, como seu nome e um sobrenome.

Neste espaço, é importante ter várias, como por exemplo seu site, um e-mail, o número de telefone celular ou até de WhatsApp, que tem sido uma forma de contato bem utilizada.

2. Objetivos e resumo profissional

Falar um pouco sobre os seus objetivos é uma forma de compor, com qualidade, o seu resumo profissional.

Por isso, aborde no seu currículo de programador o que você quer conquistar no mercado ao seguir essa carreira, suas principais linguagens de programação e também uma experiência mais marcante.

Lembrando sempre de ser objetivo e direto, sem perder a humanização, afinal é uma apresentação sobre você!

3. Experiências profissionais e acadêmicas

Aproveite este espaço para mostrar as suas experiências, de forma completa - sejam elas profissionais ou acadêmicas.

Os títulos não são tão importantes, mas sim as contribuições e aprendizados dentro de cada experiência.

Coloque sua formação, os cursos que realizou e até mesmo se está com algum em andamento, ele pode ser o que o recrutador precisa nas suas buscas por um bom currículo de desenvolvedor.

Além disso, apresente com mais detalhes as suas experiências profissionais, descrevendo a empresa de atuação e o que foi aprendido no projeto desenvolvido.

E se você faz parte ou realiza algum projeto paralelo, aqui é o momento de falar e se vender como um bom programador!

Leia também: 10 mitos sobre a carreira de programador que você precisa parar de acreditar!

4. Linguagens de programação que domina

Dedique uma seção do seu currículo de programador especialmente para abordar quais são as linguagens de programação que você domina e também as que têm algum conhecimento, mesmo que básico.

Fique atento às habilidades redundantes! Por exemplo, não é necessário listar as linguagens HTML, DHTML, XHTML, HTML5, sendo que a última já engloba todas as anteriores e, tecnicamente, para saber é preciso ter passado e aprendido sobre as outras.

Aliás, também não é necessário colocar as habilidades básicas, como pacote office, pois isso também é esperado de um bom programador como você, hein?!

5. Idiomas falados e o nível de proficiência

A língua inglesa é realmente muito importante, mas algumas empresas gostam muito quando o profissional tem nível de proficiência em outros idiomas, como o espanhol.

Por isso, se você sabe outra língua, além do inglês, é fundamental destacar no seu currículo.

Leia também: 9 dicas para criar o seu currículo em inglês!

6. Portfólio e/ou repositório profissional

Aqui é o ponto em que os recrutadores terão acesso à sua atuação na prática.

Ou seja, você apresentará os trabalhos realizados junto com a descrição do que produziu, pontuando o que fez, qual skill utilizou em cada projeto.

É importante fazer uma mini descrição para que o recrutador que está vendo o seu currículo consiga identificar quais foram as suas contribuições e como elas podem ser úteis para a empresa contratante.

7. Eventuais experiências fora do campo profissional

Um trabalho, uma ajuda para um amigo, um projeto freelancer, eventos que você visitou, feiras e congressos que participou…

Tudo que for relevante para a sua apresentação de perfil é importante constar aqui.

8. Intercâmbios

Uma vivência no exterior é um ponto diferencial no seu currículo. Um intercâmbio é uma fonte de aprendizado em inúmeros âmbitos, que vale a pena ser contada e utilizada para a vida profissional.

Por isso, se você teve a oportunidade de conviver com outras culturas, conquistar novos espaços, construir novos relacionamentos fora do Brasil e conseguir agregar ainda mais experiência ao seu profissional e pessoal, acrescente aqui nesta seção.

Leia também: Quer trabalhar como desenvolvedor para empresas dos EUA? Conheça 9 dicas para a sua transição de carreira!

9. Conquistas e aprendizados

Por último, mas não menos importante, é o momento de pontuar as conquistas e aprendizados com as suas experiências profissionais e também no âmbito acadêmico. 

Ao longo do seu currículo de desenvolvedor você vai apontando sobre esses aprendizados, mas nesta seção é possível descrever sobre conquistas bem importantes para a sua carreira, como alguma concorrência ou algum prêmio.

Selecione as que mais fazem sentido para a vaga que está concorrendo ou para a divulgação do seu perfil em geral, sempre com elegância, cuidado e objetividade.

Gostou das dicas para criar um bom currículo de programador? Para se desenvolver ainda mais nessa carreira e consumir mais conteúdos como este, continue acompanhando nosso blog e redes sociais!

Perguntas frequentes

Qual a importância do currículo para profissionais de programação?

O seu currículo é o primeiro contato da empresa ou do recrutador com o candidato, on-line ou presencial, e ele precisa causar uma boa impressão em diversos aspectos.

O que os recrutadores avaliam nos currículos de programadores?

O currículo não é só um monte de informação reunida em um espaço em branco, e a explicação sobre a importância dele deixou isso bem claro. Agora, abordaremos o que os recrutadores avaliam, de fato, nos currículos.