10 mitos sobre a carreira de programador que você precisa parar de acreditar!

Equipe Trio Carreiras

5 min read

A área de tecnologia está super em alta no mercado de trabalho, especialmente no Brasil. E entre os cargos mais procurados na rede social estão engenheiro de software, arquiteto de software, engenheiro de software Java, analista de software, desenvolvedor.NET, desenvolvedor front end, especialista em software, desenvolvedor Javascript e engenheiro mobile.

Devido a essa expansão e pelas oportunidades de emprego que estão surgindo constantemente, principalmente depois da pandemia, a expectativa de quem se prepara para dar o primeiro passo na carreira de TI aumentou.

Entretanto, junto com a ansiedade para ingressar no mundo dos desenvolvedores, vêm os mitos da programação e é sobre eles que falaremos ao longo deste artigo.

Vamos conferir quais são os 10 principais mitos e verdades da carreira de programador e desmistificar cada um deles. Confira!

<<< Confira as vagas remotas para desenvolvedores da Trio! >>>

Desmistificando a carreira de programador: Conheça os 10 principais mitos e verdades

Se você é novo ou está iniciando agora a carreira de programador, este é o momento de acabar com os mitos da programação. Vamos lá?

1. “A profissão de programador é muito difícil”

O primeiro passo para a carreira de programador pode ser mais complicado porque muitas pessoas não sabem por onde começar e, em vários casos, não têm ajuda para isso.

Nós sabemos que existem muitas informações no mercado e são vários os caminhos dentro dessa área.

Porém, devemos sempre começar do início - sei que pode parecer óbvio, mas vale a pena reforçar. Para te ajudar nesse processo de escolha, você pode conhecer as melhores linguagens de programação, buscar quais são as áreas que você mais se identifica, podendo ser a de jogos, aplicativos ou desenvolvimento web, por exemplo.

E o mais importante: acompanhar blogs e programas, como o Trio Carreiras, que vão te ajudar a navegar com mais segurança por esse universo e construir uma boa carreira.

2. “O mercado para programadores já está saturado de profissionais”

O mercado de TI é um dos que mais crescem atualmente e, de acordo com a Brasscom, (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), o segmento deve criar cerca de 420 mil novas vagas até 2024.

Ou seja, o mercado está em alta e as vagas estão a todo vapor.

Entretanto, é importante citar que a qualificação é fundamental para ingressar e permanecer no mercado - tanto nessa quanto para qualquer outra área.

Com as mudanças constantes na tecnologia, surgimento de novas vertentes e avanços em estudos, ficar por dentro de tudo que acontece e estudar a sua área de atuação é indispensável.

3. “Os cursos de programação são caros e demoram muito”

É fato que existem cursos de programação com mensalidades elevadas e de longa duração. Por outro lado, existem também cursos mais acessíveis e de média duração, mas que, naturalmente, não são tão completos.

Algumas instituições de ensino, como Harvard e MIT, oferecem cursos gratuitos, consideravelmente rápidos, e on-line que podem te ajudar muito nessa jornada.

Mas se você também quer encontrar um curso de programação que te auxilie de forma mais intensa, profunda e com maior duração, é importante pesquisar bem e entender o custo-benefício.

Além disso, hoje em dia existem ótimos cursos gratuitos disponíveis no YouTube, como os canais Curso em vídeo e Glaucia Lemos.

O importante nesse processo é a sua dedicação e compromisso com o aprendizado!

4. “Os desenvolvedores sênior sabem tudo!”

Vamos fazer uma analogia simples: quando surgiram os carros automáticos, as pessoas que dirigiam carros manuais precisaram se adaptar ao novo e aprenderam.

Como? Mudando a técnica de dirigir, mas utilizando ainda os conhecimentos básicos, como placas e sinalização, por exemplo.

É dessa mesma forma na programação.

O mundo da tecnologia está constantemente sendo atualizado, com evolução constante. Por isso, senioridade não é sinônimo de saber supremo e esse é um dos mitos mais comuns e, ao mesmo tempo, prejudiciais da programação. 

É um fato: os desenvolvedores mais experientes têm uma bagagem mais sólida, mas eles não sabem de tudo e estão aprendendo, talvez com mais facilidade, de acordo com o crescimento da sua área de atuação.

5. “Os desenvolvedores brasileiros não se adaptam bem à cultura de trabalho dos EUA”

Um mito que traz outro assunto à tona: a dificuldade em mudar, mas não a impossibilidade disso. É natural que a cultura seja diferente e a adaptação é necessária - e seria dessa forma se você escolhesse outro lugar para trabalhar, até mesmo no Brasil.

A cultura dos EUA é bem diferente do BR, mas você pode se adaptar a nova jornada e espaço de trabalho fazendo uma transição, mesmo remoto, entendendo como funciona a carreira no exterior e adequando à sua rotina.

Leia também: 9 dicas para se adaptar à cultura de trabalho dos EUA

6. “Preciso ter um inglês impecável para trabalhar remotamente para empresas do exterior”

O inglês é considerado uma língua universal. Por isso, principalmente quando você busca por oportunidades remotas no exterior, é importante ter um conhecimento sobre ela.

Entretanto, você não precisa necessariamente ser fluente em inglês, mas precisa saber se comunicar bem.

Algumas empresas acabam pedindo nível de inglês de acordo com a proficiência, pedindo um nível mais elevado, a partir do intermediário, que é quando você pode lidar com situações que vão além da sua rotina.

Mas esse título não conta muito se você não pratica a língua estrangeira e se mantém atualizado quanto às gírias e cultura do local em que está trabalhando.

Por isso, treine o seu inglês com 5 hábitos simples:

  1. Pratique a conversação;
  2. Mude a linguagem padrão do seu celular;
  3. Troque experiências com nativos;
  4. Utilize aplicativos de ensino, e;
  5. Estude a cultura inglesa, isso ajudará muito no aprendizado.

7. “O programador precisa trabalhar apenas as hard skills”

As habilidades técnicas, chamadas de hard skills, são extremamente importantes para construção de uma carreira interessante como desenvolvedor.

Porém, é um mito da programação dizer que somente elas são importantes.

Ao contrário dessa afirmação, outras habilidades são fundamentais para a carreira, como a forma de se comunicar com as pessoas, a colaboração em projetos, a proatividade saudável, a capacidade de lidar com problemas, de manter uma boa relação, de se adaptar a novos ambientes e culturas, entre outras soft skills.

Por isso, aprenda constantemente sobre a sua área de atuação, mas também treine suas habilidades comportamentais, como inteligência emocional, confiança, comunicação e também liderança.

8. “Preciso ter um diploma para ser considerado um bom desenvolvedor”

Para construir uma carreira como desenvolvedor é muito importante ter conhecimento sobre os conceitos fundamentais da computação.

Porém, o mundo da tecnologia muda muito rápido e infelizmente os cursos, em alguns aspectos, não conseguem acompanhar no tempo adequado. 

Por isso, você não precisa ter uma graduação para atuar na área, mas deve ficar atualizado quanto às mudanças, novas tecnologias que surjam e, claro, escrever códigos de qualidade e se desenvolver para ser bem-sucedido.

Dessa forma, busque por cursos que contribuirão com o seu aprendizado, gratuitos ou pagos, e que te ajudarão a crescer.

Mas além do estudo, você deve colocar em prática seus conhecimentos para aprimorá-los cada vez mais e, com uma base sólida de entendimento e um bom portfólio, pode conquistar uma oportunidade de emprego e ser um bom desenvolvedor.

Leia também: GitHub - O que é e como usá-lo para destacar o currículo profissional?

9. “Não preciso criar um bom currículo para achar vagas de programador”

O currículo é uma breve apresentação pessoal e profissional e é através dele que a empresa entenderá um pouco do seu perfil e fará, ou não, a seleção dele para uma determinada vaga.

Sendo assim, é muito importante que você tenha sim um bom currículo para encontrar e ser selecionado para a vaga dos seus sonhos.

E como preparar um bom currículo? Aqui vão algumas dicas:

  • Seja objetivo e realista
  • Faça uma breve apresentação pessoal
  • Compartilhe as linguagens de programação que domina
  • Apresente suas experiências profissionais
  • Pontue os idiomas que fala
  • Coloque o seu portfólio com projetos importantes
  • Seja sincero em tudo o que for apresentado

Vamos quebrar esse mito da programação e desenvolver um currículo que chame atenção? 

Leia também: Currículo de programador: como criar um que chame atenção?

10. “É impossível ter sucesso trabalhando com equipes internacionais e remotas de desenvolvedores”

Infelizmente existe um preconceito com o formato remoto de trabalho, especialmente quando são pessoas de outros países que trabalham juntas e precisam se adaptar.

É claro que existem desafios nesse processo, afinal, são mundos diferentes que se encontram na programação. 

Entretanto, essa adaptação ao trabalho remoto é totalmente possível quando existe um processo de atuação bem definido e pessoas comprometidas com ele.

Neste processo, podemos pontuar a necessidade de definir algumas, como objetivo da equipe, identidade do coletivo, confiança, compromisso, transparência e comunicação assíncrona.

Construa a sua carreira dos sonhos sem mitos

Conseguiu perceber o quanto os mitos da programação norteiam a profissão e como eles podem impactar na sua decisão de entrar na área ou até mesmo continuar?

Por isso, é importante que você esteja sempre por dentro do mundo tech e construa sua opinião com base em dados e experiências reais.

Para te ajudar nesse processo é que desenvolvemos o projeto Trio Carreiras.

Em nosso blog você encontra diversos assuntos fundamentais para construir a sua carreira dos sonhos, se preparar para as oportunidades estrangeiras, além de encontrar várias vagas disponíveis no mercado exterior. 

Para ficar por dentro de tudo que acontece no mundo dos devs, acompanhe o nosso Instagram e LinkedIn.